Matéria: Bate-papo com Ava Dellaria e Jennifer Niven





Olá leitores, tudo bem com vocês? Nessa quarta-feira, eu tive a oportunidade de encontrar duas grandes autoras. E conversar um pouco com elas, e posso afirmar que as duas são pessoas incríveis, de uma simplicidade sem igual. Atenderam a todos os fãs, conversaram com cada um, abraçaram, tiraram fotos. 






Elas falaram sobre suas experiências de vida, como foi escrever o livro, quais foram as cenas que elas mais gostaram de escrever e o momento que elas tiveram que parar, porque não conseguiam mais aguentar o rumo que a história estava tomando. Vou fazer um resumo de tudo que rolou.

De início, falamos sobre as experiências de vida delas, quais lições elas tiraram depois que terminaram de escrever. Jennifer disse que ela aprendeu a se permitir chorar algumas vezes, que perder alguém dói muito, mas que você aprende a amenizar essa dor e fazer da saudade algo bom. Ava falou que, para ela, você deve sempre procurar alguém para conversar, que se isolar não faz bem, que precisamos de alguém sempre. Tem como não amar essa duas?!

Quando questionadas sobre cenas preferidas e pior momento do livro, Ava falou que a cena que ela mais gostou foi a última carta que ela escreveu no livro, para seu crush eterno o Kurt Cobain - quem já leu sabe do que eu estou falando - que também é uma das minhas preferidas. E a pior parte para ela foi a cena que a Laurel revelar o que aconteceu com ela. "Chorei? Chorei, mas ninguém precisar saber".

A cena preferida da Jennifer é quando o Finch desce do carro para comprar as flores para a Violet.  E a cena mais difícil de escrever é quando a Violet volta para a lagoa azul. Ela realmente teve que parar, porque ela chorava muito. (Chorei muito, mas também amo essa cena.)

Também comentaram sobre o filme de ambos os livros, e falaram em primeira mão que elas serão as roteiristas dos filmes. Eu fiquei muito feliz com essa notícia. Jennifer disse que a criação do roteiro fez ela relembrar várias coisas boas sobre o livro, e que voltar a escrever sobre Violet e Finch foi um ótimo jeito de ela se sentir mais perto do seu melhor amigo.  

Falou também que adoraria ver Elle Fanning como Violet - ela realmente será nossa Violet, podem surtar - e que sua irmã Dakota Fanning daria uma ótima Eleanor. E como Finch ela imagina Evan Peters. Devo confessar que quase tive uma parada cardíaca quando ela falou isso, porque imagino eles assim também. Vocês concordam com a escolha? Ava disse que não tem ninguém em mente, mas que está aberta a sugestões. Corram agora para o Twitter e mandem seus Dreams Cast para ela.

Falamos também sobre nós, os fãs brasileiros, ambas revelaram que o Brasil foi o primeiro país a comprar os direitos de publicação dos livros, e que nenhuma delas imaginava que seus livros seriam tão amados, que foi uma surpresa enorme para elas e que amam o carinho que recebem daqui e passaram a amar ainda mais o Brasil depois da turnê.

Jennifer autografou meu livro e marcador, falei para ela sobre meu amigo, e ela me disse que eu devia parar de me culpar, que essa coisas acontecem, e que a saudade vai está sempre lá, mas que eu deveria parar de me apegar ao passado e seguir em frente. Quase chorei, já amava essa mulher e sua obra, agora virou amor incondicional. 



Já a Ava conversou, tirou foto, disse que me ama - EU QUASE MORRI -  agradeceu o carinho e que está ansiosa para liberar seu novo livro. Brincou comigo, uma pessoa incrível. Amei conhecê-la.   












É isso leitores, gostaram das novidades exclusivas? Eu amei esse dia. 31 de agosto ficará para sempre em minha memória. Conhecer essas duas pessoas maravilhosas, de um carisma sem igual valeu cada hora que passei esperando na fila pela senha. Quero agradecer ao grupo Companhias das Letras por ter trazido para o Brasil minhas autoras preferidas e realizados meu sonho de conhecê-las, muito obrigada mesmo. Espero que tenham gostado da matéria, beijos e até a próxima.

Fotos de Ruth Vasconcelo do Ig Literário @Presos em Páginas

0 comentários:

Postar um comentário