Resenha: Kafka e a Marca do Corvo

Autora: Jeanette Rozsas
Editora: Geração Editorial
Ano:  2009
Páginas: 184     
Nota: 5/5  
Sinopse: Biografia romanceada de Kafka, onde a autora pesquisou durante anos, para se certificar de que a fidelidade histórica não sofresse o menor arranhão. E, numa parceria equilibradíssima, aliado ao cuidado da pesquisadora sempre esteve presente o talento da prosadora. A obra de Kafka — sua linguagem protocolar, os contos fantásticos e os romances claustrofóbicos, as cartas e os diários angustiados — marcou profundamente muitas gerações de escritores. Somente uma escritora muito apaixonada por essa obra poderia realizar este cativante romance 









"Eu adoro biografias romanceadas, e esta, contanto a vida de Kafka, é uma das mais saborosas. A autora pesquisou durante anos, para se certificar de que a fidelidade histórica não sofresse o menor arranhão. E, numa parceria equilibradíssima, aliado ao cuidado da pesquisadora sempre esteve presente o talento da prosadora. 

A obra de Kafka – sua linguagem protocolar, os contos fantásticos e os romances claustrofóbicos, as cartas e os diários angustiados – marcou profundamente muitas gerações de escritores. Somente uma escritora muito apaixonada por essa obra poderia realizar este cativante romance biográfico. Jeanette Rozsas é essa escritora." – Nelson de Oliveira.


Antes de tudo. Você sabe quem foi Kafka? Não? Ok... Vou te explicar rapidinho antes de começar a falar desse livro maravilhoso. 

Franz Kafka nasceu em 3 de julho de 1883, em Praga. Formou-se em Direito e escreveu sua primeira obra "Preparativos para um casamento no campo" em 1906. Escreveu mais duas grandes obras em 1912, "O veredicto" e "A metamorfose". Em 1914 ganhou o Prêmio Fontane de literatura, em 1917 foi diagnosticado com tuberculose. Se envolveu com várias moças, chegando a noivar duas vezes com Felice. É internado num sanatório, e em 1921 fica amigo do médico Robert Klopstock.

 Em 1924, volta pela última vez a Praga, onde fica por pouco tempo na casa dos pais. É internado num sanatório perto de Viena, onde morre no dia 2 de junho. E foi enterrado em Praga, no dia 11.
Simplificando tudo o que eu disse aí em cima: Kafka foi um escritor incrível, que se envolveu em vários romances, inspirou vários outros autores e não teve uma vida assim tão sem graça.

Ao nascer, Franz não se parecia nada com seu pai, Hermann, se parecia mais com sua mãe, Julie. Tinha os olhos escuros, profundos, sombreados por longos cílios que ressaltavam sua magreza. Aos 2 anos, ganhou o primeiro irmão, Georg. Porém, Georg não sobreviveu por muito tempo. 
Os anos seguintes foram muito difíceis para Franz. Os métodos educacionais de seu pai não o ajudavam a ser mais extrovertido, e ele só foi enfrentando mais e mais dificuldades.

Resenhado por:

Lorena

0 comentários:

Postar um comentário